fbpx

A avaliação pré-operatória é mesmo necessária?

Trabalho publicado no COPA2021 (congresso paulista de anestesiologia)

Autores: Rodrigues IV, Regatieri FLF, Giro G

Introdução:

A avaliação pré-anestésica (APA) é parte imprescindível da anestesia. É neste momento que conhecemos a saúde do paciente (Pcte), suas necessidades e limitações. Porém os cirurgiões frequentemente questionam sua necessidade. Mesmo após a resolução 1802/06, ainda há dificuldade de entendimento dos cirurgiões e o desconhecimento do Pcte sobre sua necessidade. Visando entender melhor os riscos, levantamos as informações contidas nos prontuários do ambulatório de APA. Focamos nas patologias presentes nestes Pctes e o risco somado ao procedimento.

Métodos:

Separamos 186 prontuários dos Pctes de APA entre 2006 e 2008. Incluímos os Pctes de cirurgias odontológicas por 2 motivos:  evitar o viés do impacto emocional de diferentes tipos cirurgias e o viés de alta incidência de uma patologia específica. Também excluímos os prontuários incompletos e Pctes menores de 18a. Tabulamos os dados e classificamos, separando por sexo, faixa etária, hábitos e patologias.

Resultados:

A maioria eram mulheres, com 67,6%.

A distribuição de idade foi entre 18 e 78a, com idade média de 51a, sem diferença estatística nos 2 sexos.

51,3% Pctes eram ansiosos e 9,7% dos Pctes eram depressivos.

Já 20,5% apresentavam alergia a medicamentos (AM).

A incidência de hipertensão (HAS) foi de 16,2%. Porém maior em homens, com 21,7%.

Quanto a Diabetes, eram 4,3% com maior incidência em homens.

Quanto a hábitos, 33% eram etilistas e 26,5% tabagistas.

Conclusões:

A APA, à pesar de sua importância, é negligenciada tanto pelos anestesistas como pelos cirurgiões. E estes, muitas vezes dificultam o acesso do Pcte à APA. Além disso, o desconhecimento do Pcte quanto à necessidade da APA, torna difícil sua adesão à APA. Não obstante, a APA é parte importante da anestesia. Pois é a partir dela que conseguimos prever as complicações e  também planejamos o procedimento. Aqui nós focamos nas patologias e hábitos que interferem na anestesia.  Vimos que 51% sofria de ansiedade. Isto valida a importância de conversar antes da anestesia. Vale lembrar a interferência entre medicamentos usados nestes pacientes e a anestesia. Vimos ainda que 20,5% tinham alergia a medicamentos. Saber disto nos livra de uma complicação evitável. Já a HAS é uma das causas de cancelamento cirúrgico. O conhecimento e o controle prévio da HAS evitaria o cancelamento, além de evitar riscos. Portanto, além de necessária, a APA é imprescindível se quisermos realizar uma anestesia segura, minimizando complicações e custos.

 

Referências:

  1. Título disponível em < http://www.portalmedico.org.br/resolucoes/cfm/2006/1802_2006.htm> acessado em 12/02/2020.
  2. Azevedo V.L.F., Azi L.M.T.A., Dumares D.M.H, Identificação do Pcte de alto risco cirúrgico. In Brandão J.C.M., Miranda C.A., Leal P.C., et al. Medicina perioperatória e anestesia. Sociedade Brasileira de Anestesiologia, 2019; páginas 1-20.

 

 

 

Artigos Relacionados

Evento de iminência de broncoaspiração em paciente usando dulaglutida e em jejum prolongado: relato de…

Leia Mais

ImplantNews Reab Oral 2020;5(6):1006-7 A utilização de sedação em pacientes odontológicos tem aumentado substancialmente, principalmente…

Leia Mais

Conversando com colegas médicos, nós, já com alguns cabelos brancos surgindo (aqueles que ainda não…

Leia Mais

Deixe um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *